Miss L

Miss L || Em Contexto Offline

Olá Nossos Devanienses Favoritos!
Para começar, temos uma novidade para vocês: Vão haver posts diariamente este mês!

Como sabem através das nossas redes sociais, eu participei no Evento de Bloggers do Ano. A Francisca, infelizmente, não pode ir. Quem ainda não nos segue, está a perder muita coisa boa. No facebook e no Instagram procurem por Miss L e deixem de ficar para trás nas novidades.
E através deste evento aprendemos que é tão importante offline como online. Dai surgiram muitas ideias.
Francisca, depois falamos como és fora das redes sociais. Gostarias dum Cheese Burguer para acalmares? Eu sei que sim. Sabes que falando de mim, também falo, pelo meio de ti, pois trabalhas comigo e fazes parte da minha vida online e offline.
Para começar, posso dizer que sou uma pessoa muito estranha. Quando alguém conhecido e só conhecido comprimenta-me na rua há uma de três hipóteses: aceno com a cabeça e a pessoa fica no vácuo, eu penso no que hei-de dizer e a pessoa fica no vácuo ou respondo simplesmente “Olá! Tudo bem, obrigada.”. É eu sou assim, mas a Francisca é pior. Acena sempre com a cabeça e anda como se nada fosse. Sim, Francisca, tu és muito radical, ou páras ou não páras. Só dás confiança a quem queres. Dai não ter nenhuma fotografia dela comigo, aparentemente…
Tenho duas manas, a Mana do Meio e a Mana Velha, porque, como temos cabelos iguais, todas a gente achou que éramos irmãs de sangue. Eu nunca nego. Uma das manas chama-se Ana e não se ri muito. E na última live do Felipe Neto (é cultura geral saber quem é este YouTuber), ele fez uma piadinha muito escrota, estava sempre a dizer ” Quero ter uma filha para por o nome Ana e dizer-lhe ‘Ri, Ana’.”. Eu peguei a piada e tornou-se muito divertida. A Ana é que não tem sentido de humor, por isso, ri, Ana! Também pergunto se ela tem manteiga. Aliás, já perguntei à algumas pessoas. Outra coisa que a Ana não gosta e é muito natural em mim são as minhas expressões. Quando não gosto da comida faço ar de nojenta e ela irrita-se. Porém, é super natural. Não consigo conter. Quando penso, já estou. Adoro comer, mas se me falam de comida que eu não gosto, torço literalmente o nariz. Automático. Como a Francisca quando se fala de fruta e legumes.
Sou blogger há cinco anos e uns meses, mas não entendo nada de programação. Deveria aprender, mas ainda não se proporcionou.
Também não sou muito boa com maquilhagem, porém a Francisca é pro. De manhã, só uso o baton vermelho ou roxo, o BB e o corrector (ter 17 anos é difícil). Por vezes, rímel, pois já tenho as pestanas muito grandes. Porém, só coloco nas extremidades de cima e, por vezes, em baixo por completo.
Não uso ganga, nem ténis desde 2014. Comecei a gostar de vestidinhos há pouco tempo, um ano, dois no máximo. Deve ser da idade.
Mais importante de tudo, eu detesto nomes feios, principalmente, em crianças. Como sabem, a educação vem de casa. Não entendo porquê que ensinam as crianças a dizerem palavrões. É para humilhar os pais e a criança? Só fica mal, a qualquer pessoa.
Coleciono latas de refrigerante que sejam diferentes, ou seja, as pequenas ou de edição limitada.
E vocês como são em modo offline?
Beijinhos
Anúncios

5 comentários em “Miss L || Em Contexto Offline

  1. Offline sou uma pessoa muito reservada.. Estou no meu canto..
    Offline, sou professora, sou irmã, sou namorada, sou filha, sou dona de casa (tento ser o melhor possível).
    Trabalho numa escola que tem perto de 150 alunos e sei o nome de toda gente!! (não perguntes como, mas sei) e dos meus alunos até sei o 1º e último nome 🙂
    Eu concordo ctg, a educação vem de casa.. e infelizmente (agora com a nova geração) cada vez menos que ela vem, e são os professores que têm que dar educação (mas muitas vezes não é nada fácil).. São dias difícies que chego a casa e penso “porquê eu quero ter filhos?!” hehehe
    Obrigada pela tua visita 🙂

    Curtir

    1. Olaaaa 🙂
      Eu senti isso no estágio, principalmente, no pré-escolar. Eu saia com a cabeça em água! Mas adorava aquelas crianças, mesmo dizendo palavrões com 3aninhos.
      A culpa é sempre do professor, temos as costas bem largas. Chega a dar medo!
      Beijokitaz

      Curtir

  2. Olá 😉
    Muitos parabéns por este post! Gostei imenso e deixou-me a pensar de como sou eu no offline!!! Por vezes, damos tanta importância a coisas sem valor ou andamos tão atarefados ou “atabalhoados” (se é que existe esta palavra) que nem sequer pensamos em nós ou, de como os outros nos veem. 😉 Obrigado pela partilha, bjinhos.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s