Miss L

Texto Pessoal de Miss L || Alguma Vez Vamos Dar Certo?

Olá Nossos Devanienses!
Parece que hoje é o meu aniversário. Neste mês perfeito. Influente do melhor signo. Dezoito anos. Quem diria?
O que foi, Francisca? Não faço dezoito anos? Ninguém tem de saber. Dezoito, vinte, vinte e sete, trinta. O que importa? Só o espírito!
Para marcar este dia da melhor maneira, nada melhor do que um texto pessoal.
 

Imagem Retirada na Internet

Tinha uns 9 anos quando te conheci. Tornamo-nos amigos com o tempo. Nem sei porquê. Agora que penso nisso, até parece estranho.

Quando tinha quase 16 anos gostava de ti de maneira especial. Pensava que não teria qualquer hipótese. Porquê que teria? Tu tinhas acabado de fazer 27 anos.
Combinamos um jantar para comemorar o teu aniversário. Tinhas vindo ter comigo. Montijo era tão longe.
Nesse dia estava super nervosa. Para mim era um date e para ti um jantar de aniversário atrasado com uma simples amiga.
Fui para casa duma amiga com outra amiga. Precisava de apoio. Faltavam uma semana para fazer 16 anos e nunca tinha beijado ninguém. E ele já tinha 27 anos.Precisava de conselhos. Estava no sofá com elas, quando a anfitriã me beijou com um “pronto, é assim!”. Eu até escorreguei do sofá. Não estava mesmo à espera. Elas tinham 22 anos. A que me beijou era super descontraída e muito zen. Para ela a prática era o melhor ensinamentos. Já não estava tão nervosa. Fui com uma roupa que elas escolheram.
Rimo-nos imenso. Mais do que o habitual. Foi especial. Fomos para o apartamento que ele alugou para aqueles dias para vermos um filme. ” Não penses que vamos ver um filme de terror!”, dizia ele sempre. Só queria mesmo a companhia.
Tomei coragem e, antes dele por play, disse que tinha de dizer uma coisa. “Mas e o filme?”, questionou a rir-se.
Olhei para as minhas mãos e disse que para mim era importante. Ele levantou-me o queixo e olhou-me nos olhos com uma questão: O que se passa, pequena?
Eu disse tudo. Disse mais do que devia, como sempre. Ele ficou inquieto. Quase me arrependi. Passamos o filme em silêncio.
Ele, que sempre ia ao meu aniversário, disse que não podia. Quis cancelar tudo e chorar. Tive o apoio das minhas amigas que me arranjaram e fomos ao jantar que tinham organizado para mim. ” Faz a tua própria felicidade, miúda. “, aconselhou-me a que me tinha beijado naquela tarde.
Quando íamos cantar os parabéns, ele apareceu. Calado. Eu fiquei mais branca do que já sou. Ele sorriu. Cantaram-me os parabéns. No final, ele pediu para falar comigo lá fora. As minhas amigas piscaram-me o olho como apoio.
” Sabes pequena, os nossos onze anos de diferença não abonam nada a nosso favor.”. Eu sabia disso. “Não precisas de dizer nada, a sério. Nem precisavas de ter vindo, se não querias.”. Eu ia voltar para dentro, triste. Ele agarrou-me no braço ” estás a perceber tudo erradamente.”. Eu fiquei sem reacção. “Mas temos de esperar que faças 18 anos. Dois longos anos a partir de hoje.”. Eu não tinha resposta. Eu não tinha palavras. Ficamos um mês sem falar. Ele voltou cá. Convidou-me para jantar. Quis recusar, mas as minhas amigas insistiam e até brincavam ” agora sabes beijar, aproveita.”.
Não dá para esperar dois anos. É muito tempo. E se ele encontra alguma mulher da idade dele? Não é nada difícil. Soube no jantar, desta vez no apartamento que ele alugou, que ele pensava o mesmo. Ambos tenhamos medo de outra pessoa da mesma idade entrasse na vida um do outro.
Começamos a namorar. A distância não me fazia qualquer diferença, pois ele vinha cá regularmente. Ao fim de dois anos de namoro, amava aquela pessoa. Terminamos sem completar o quarto ano. Eu estava na faculdade. Mal notei a falta que fazia. Quando fiz 22 reatamos. Acabamos antes de eu fazer 23. Entrou a que ele chamava de melhor amiga em serviço. Ela estava desejosa por ficar com ele. Aos 24 namorei com um rapaz, mas no final, não passava dum imbecil, mulherengo que usava os textos para seduzir. Acabamos com um ano, mas continuavamos a estar juntos. No Carnaval antes de eu fazer 26 anos, cortamos de vez. Em Julho desse ano, voltámos sempre com a sombra da melhor amiga, a amiguinha como eu chamava. Ele disse que não passou de carência. Estava confuso. O Montijo deve ser a terra dos confusos. Aceitei que ele se tornar-se o meu ex-ex-ex-ex. Como dizia a minha amiga “foi por esse homem que aprendeste a beijar.”. Perto do Natal acabamos de novo. Pareciamos os protagonistas do ” Diário da Nossa Paixão ” sempre a sermos separados pela vida. A partir de Março nunca mais falamos. Ele foi único que verdadeiramente amei, mas tudo na vida mostra que não dá. Só me iludo. Fico feliz quando ele está, mas a minha amiga é que tem razão, sou eu que tenho de fazer a minha felicidade.
Ele vai e volta quando quer. No fundo, sempre lhe fez confusão a diferença de idades. Sempre. Sempre. Sempre. Onze anos para ele era um século. Só temos onze anos de diferença. É muito ou o importante o amor que une? Sim, o amor não é tudo. Tu provaste que não era tudo. Vais pedir de novo para voltarmos? Então lê este texto e pensa de novo. Não vou aceitar, por mais que te ame, que voltes a fazer da minha vida a tua montanha-russa. Queres alguém da tua idade? Fica com a tua amiguinha, que chamas de melhor amiga. Só falta mesmo salivar-se quando te vê. Eu não estou mais para esses filmes. Talvez ela aceite. Eu estou fora. Obrigada pelo que me ofereceres-te e até sempre.
Beijinhos
Anúncios

3 comentários em “Texto Pessoal de Miss L || Alguma Vez Vamos Dar Certo?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s